DEPRESSÃO

woman-5734458_1920.jpg

A depressão é uma síndrome psiquiátrica altamente prevalente na população, e estima-se que acometa 3% a 5% desta, sendo 7% da população masculina e 15% da feminina existindo evidências científicas suficientes situando a depressão entre as doenças mais comuns, prejudiciais e que causam mais custos sociais, e representa atualmente um dos problemas mais graves de saúde pública com impacto em todos os níveis da sociedade (Loss, Furlan Jr e Faria. 2019).

Trata-se de um distúrbio incapacitante e que tem como característica o alto potencial para recidivas. Os sintomas podem englobar humor deprimido, caracterizado por tristeza ou irritabilidade, diminuição do interesse por atividade prazerosa ou incapacidade de sentir prazer (anedonia), dificuldades para dormir, alterações do peso corporal, capacidade diminuída de pensar ou se concentrar, pensamentos suicidas, além de desaceleração da fala e ação (Batista et al., 2014; Belmaker e Agam, 2008 apud Loss, Furlan Jr e Faria. 2019 ). 

 

As primeiras evidencias do envolvimento do sistema endocanabinóide no distúrbio depressivo datam centenas de anos quando povos de distintas culturas faziam uso da Cannabis sativa com o intuito de obter efeitos de melhorias no humor e diminuição do estresse (BATISTA et al., 2014; PAMPLONA; TAKAHASHI, 2012; ZUARDI et al., 2006 apud Loss, Furlan Jr e Faria. 2019). Atualmente, crescentes evidências clínicas e pré-clínicas sugerem que o sistema endocanabinóide desempenha um papel bem mais relevante na regulação do comportamento emocional do que se imaginava.

 

Pesquisas já demonstraram que os receptores canabinoides são extensamente expressos em regiões cerebrais envolvidas na regulação dos comportamentos emocionais, tais como hipotálamo, amígdala, córtex pré-frontal e hipocampo (HOWLETT et al., 2002 apud Loss, Furlan Jr e Faria. 2019). Áreas que são ativadas quando o indivíduo está sob efeito da planta, sendo possível visualizar com o advento da neuroimagem. 

 Existe um corpo de evidências científicas que demonstra um papel funcional e relevante do sistema endocanabinóide na depressão e outros transtornos de humor.

Diante do fato de uma parcela significativa dos pacientes diagnosticados com depressão serem pouco responsivos às terapias farmacológicas, a Cannabis surge como um alvo para o desenvolvimento de novos tratamentos para a doença.